terça-feira, 19 de agosto de 2008

DE CRISE EM CRISE ENCHEM-SE MUITOS PAPOS

Num destes dias, estando eu a lamentar, mais uma vez, o estado de degradação em que este país se encontra, dizia-me um amigo: «é pá não entres em parafuso porque não podemos ver as coisas tão negras como tu as pintas. É verdade que as coisas não estão famosas, mas temos aí um governo e peras e vais ver que isto vai mesmo andar para a frente!». Eu, que me apercebi de imediato da sua simpatia partidária, não pude deixar de encontrar alguma piada nas suas palavras e, tendo em conta a gravidade da situação, respondi-lhe: «Olha que me assustas com essa tua afirmação. É que estamos mesmo à beira do precipício, fazendo fé nas palavras do governo, e se damos nem que seja mais um passo, vamos despenhar-nos inevitavelmente».
O meu amigo limitou-se a esboçar um sorriso e retorquiu: «Vai pelo que eu te digo pá, este governo é do baril e está mesmo empenhado em safar-nos do atoleiro em que estamos metidos».
É claro que eu pensava, no início da conversa, que aquilo era só para me animar mas, verificando que ele estava a falar a sério, mudei o rumo ao diálogo.
«Olha lá meu ingénuo, eu pensava que tu estavas a brincar. Tu acreditas mesmo que este governo vai dar a volta a esta crise e que as coisas vão mudar?». «Sim, sim, tens alguma dúvida?», respondeu-me com uma convicção que me deixou entre o incrédulo e o irritado e, dei-me conta do brilhozinho que afloraram aos seus olhos, quando eu, para o confundir, lhe respondi que também acreditava numa mudança. Com um contentamento redobrado, disparou: «Vês como temos a mesma opinião?». E aí, eu disse-lhe: «Acredito que as coisas vão mudar….só que para pior!». Prossegui: «Repara que, contrariamente ao que este governo prometeu quando estava em campanha eleitoral, até hoje não mostrou a mínima intenção, ou não teve capacidade, de por em prática uma só das suas promessas. Antes pelo contrário. O que assistimos é a um descaramento a que já nos devíamos ter habituado, uma vez que todos, sem excepção, são useiros e vezeiros em prometerem, o que bem sabem por antecipado não ir cumprir, numa ávida caça ao voto sem eira nem beira. Abre esses olhos e toma, de uma vez por todas, a consciência da realidade!
Pensa nos milhares de desempregados, no aumento do IVA., na subida dos combustíveis; das urgências que fecham, na calamidade do ensino, na fragilidade da segurança das pessoas, traduzida num aumento exponencial dos assaltos e dos homicídios. Nos escândalos da Casa Pia, do desaparecimento da Maddie, no Apito Dourado e outras tantas coisas que acontecem em catadupa, sem que neste país se reaja, parecendo que anda tudo ao Deus dará. E, já nos acostumámos a que o governo venha a terreiro eximir-se de culpas, usando como bode expiatório a crise internacional, o aumento do barril de petróleo e dos alimentos, e por aí fora. Em contraste com tudo isto, e apesar da crise imobiliária, os imóveis mais caros no mercado estão sempre vendidos, os carros de alta cilindrada têm lista de espera e as suas vendas aumentam, as fortunas avolumam-se de forma inusitada e a malta não tem dinheiro nem para mandar cantar um cego porque este governo, ao contrário do Robin dos Bosques, tira aos pobres para dar aos ricos.
A crise está instalada e o povo está cansado, meu amigo. Cada vez mais teso e já pouco mais tem que se lhe tire do que a própria pele. É que já passamos por tudo; pelo tempo das vacas gordas (se é que algumas vez nos tocou alguma), das vacas magras e das loucas e, agora, o que este governo nos parece querer transmitir, é que já nem sequer há vacas»,
O meu amigo, que me ouviu atentamente, sem nunca me interromper, ficou um momento pensativo. Levou a mão à cabeça desgrenhando os cabelos e, num gesto brusco, apontando-me o dedo da sua mão direita, exclamou: «PORRA, TENS RAZÃO. ISTO É QUE VAI UMA CRISE!»

1 comentário:

Maria João disse...

Joaquim e Liliana


Confesso, que nunca tinha passado por aqui, passei hoje e gostei dos assuntos aqui tratados. Vou passar por aqui mais vezes. Parabéns pelo bolg. Até breve!